Falando de Mercado: O salto nas importações brasileiras de soja em ano de safra recorde do grão | Argus Media

Author Argus

Apesar da safra histórica de soja registrada no Brasil este ano, a elevada demanda durante a pandemia tem impulsionado as importações do grão a níveis recorde e ajudado a reequilibrar a balança comercial do produto.

O que há por trás deste movimento e quais mercados poderão se beneficiar a curto e médio prazo?

No episódio desta semana da série Falando de Mercado, Camila Dias, chefe de redação da Argus no Brasil, conversa com José Roberto Gomes, repórter de agricultura e fertilizantes, sobre a mudança na balança comercial da soja brasileira.

Links relacionados

 

Transcript

Camila Dias: Camila Dias: Olá e bem-vindos ao ‘Falando de Mercado’ – uma série de podcasts trazidos semanalmente pela Argus sobre os principais acontecimentos com impacto para os setores de commodities e energia no Brasil e no mundo. Meu nome é Camila Dias, chefe de redação da Argus no Brasil. E no episódio de hoje eu converso com José Roberto Gomes, repórter de Agricultura e Fertilizantes da Argus, sobre o aumento das importações de soja pelo Brasil. Bem-vindo, José Roberto.

José Roberto Gomes: Oi, Camila, e obrigado. Um prazer estar aqui.

Camila: José, o Brasil colheu uma safra recorde de soja neste ano e, mesmo assim, tem importado volumes crescentes da commodity. O que justifica isso?

José Roberto: Pois é, Camila. A produção brasileira de soja foi histórica em 2020, com quase 125 milhões de toneladas, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab. Mas a forte desvalorização do real em relação ao dólar ao longo deste ano tornou a soja produzida no Brasil ainda mais competitiva no mercado internacional, além de elevar os preços internos e estimular vendas pelos agricultores.

O resultado? Exportações muito aquecidas até agora neste ano, o que enxugou os estoques internos do produto. E daí surgiu a necessidade de se importar mais, até porque temos um consumo doméstico ainda firme apesar da pandemia de Covid-19, principalmente para fabricação de ração animal e utilização na indústria de biodiesel. E, Camila, vale lembrar, né? Estamos falando de importação de soja pelo maior produtor e exportador mundial da commodity.

Camila: É verdade, não deixa de ser algo irônico. José, como está, então, esse balanço de exportação e importação de soja pelo Brasil?

José Roberto: Olha, Camila, pelos dados mais recentes do governo, o Brasil exportou de janeiro a julho cerca de 70 milhões de toneladas de soja, volume recorde para o período, tendo a China como principal importador. A oferta cada vez mais escassa por aqui fez com que os prêmios de exportação de soja se aproximassem de 2 dólares por bushel no paper market de Paranaguá, onde tradings negociam volumes para exportação. Pra você ter uma ideia, é o maior nível desde 2018, quando Estados Unidos e China estavam no ápice da guerra comercial e Pequim impulsionou as compras de soja brasileira.

Do lado da importação, os volumes também chamam a atenção. Foram importadas quase 400 mil toneladas de janeiro a julho, a maior quantidade para esse período desde 2014. Pode parecer pouco, mas é expressivo, já que, de novo, estamos falando do maior produtor global da commodity. A expectativa é de que esse número aumente nos próximos meses, pois o Brasil só terá oferta própria novamente a partir de janeiro, com a colheita da safra 2020-2021.

Camila: Há alguma previsão para as importações totais de soja pelo Brasil em 2020?

José Roberto: Analistas e outros agentes do mercado avaliam que o país poderá importar em torno de 1 milhão de t para suprir as necessidades internas. Se isso se concretizar, será o maior volume desde 2003, quando importamos 1 milhão e 200 mil toneladas.

Camila: José, de onde vem essa soja importada pelo Brasil?

José Roberto: A maior parte vem do Paraguai, que registrou uma safra razoável neste ano, de cerca de 10 milhões de toneladas. Mas é um país pequeno, com uma demanda local bem menor que a brasileira e, portanto, tem excedentes para enviar ao Brasil. E a negociação é facilitada pelo fato de ambos os países fazerem parte do Mercosul, sem incidência de tarifas nessas vendas.

Essa soja paraguaia acaba tendo o Paraná como principal destino, até porque o estado faz fronteira com o Paraguai, e isso facilita muito a logística de transporte.

Camila: Recentemente, o governo brasileiro disse que estuda facilitar a importação de soja de países de fora do Mercosul. Como está essa discussão?

José Roberto: Pois é, Camila. Essa ideia apareceu no fim de agosto e envolve não só soja, mas também milho e arroz. Hoje, há incidência de uma tarifa de 12 por cento sobre o arroz e de 8 por cento sobre a soja e o milho importados de países não pertencentes ao Mercosul.

O objetivo do governo é eliminar essas tarifas, incluindo as três commodities em uma lista de exceções, a chamada Letec. O governo afirma que a medida tem caráter puramente de prevenção, já que não há necessidade imediata de importações volumosas desses produtos.

A ideia será formalmente analisada pelo governo em setembro. E, caso seja aprovada, pode beneficiar um importante exportador de commodities: os Estados Unidos. Vamos aguardar, né?

Camila: Vamos acompanhando por aqui como evolui essa discussão. Muito obrigado, José Roberto.

Este e os demais episódios do nosso podcast em português estão disponíveis no site da Argus em www.argusmedia.com/falando-de-mercado. Visite a página para seguir acompanhando os acontecimentos que pautam os mercados globais de commodities e entender seus desobramentos no Brasil e na América Latina. Voltaremos em breve com mais uma edição do Falando de Mercado. Até logo!

Comments

Deixe uma resposta

Required
Insira o seu nome
O nome não está correto (apenas letras são permitidas)

Related blog posts

08 setembro 2020

Falando de Mercado: Perspectivas para um novo modelo de comercialização de biodiesel no Brasil

O modelo brasileiro de comercialização de biodiesel por meio de leilões públicos começa a apresentar sinais de desgaste e, apesar da redução no percentual de mescla obrigatória, incertezas acerca do abastecimento colocam este mecanismo em cheque.

Filter:

Bioenergia América Latina e Caribe Português

27 agosto 2020

Falando de Mercado: Perspectivas para as exportações de café brasileiro

O agronegócio segue impulsionando a balança comercial brasileira em meio à pandemia e, além da soja, o café também experimentou um salto no volume de exportações.

Filter:

América Latina e Caribe Português Fertilizantes

19 agosto 2020

Falando de Mercado: Mudanças na estratégia de precificação de combustíveis da Petrobras

Os recentes leilões de combustíveis realizados pela Petrobras com base nos contratos da Nymex são um dos muitos sinais de uma transformação em curso no setor de downstream brasileiro em direção a um mercado aberto e em expansão.

Filter:

Bioenergia Derivados de petróleo Emissões América Latina e Caribe Português