More DAP imports needed for Pakistan’s kharif

  • : Fertilizers
  • 20/03/24

Latest production and stock data issued by Pakistan's National Fertilizer Development Centre point to a lack of DAP supply unless enough imports are bought for the kharif season that runs from April to September.

For kharif, DAP availability is anticipated to be 536,000t, comprising 98,000t of opening stocks and 438,000t of local production. DAP demand is expected to be 897,000t. Assuming no imports, the deficit is nearly 50,000t in June, rising to 150,000t in July, 259,000t in August and 361,000t in September. The NDFC has advised that gas supplies to local production assets need to be maintained and that enough imports are secured to ensure supply.

For now, DAP import demand is subdued because of adequate stocks through to May. Latest indications peg DAP at $610-620/t cfr, down on the last Argus assessment at $615-627/t cfr. Domestic DAP prices fell back in February by 2.8pc to 12,399 rupees/t ($44/50kg bag) ex-Karachi, or around $880/t.

Pakistan DAP offtake reached 115,000t in February, DAP production reached 72,000t and imports were 71,800t. Total DAP availability in February was 204,000t, comprising 60,000t of opening stocks, 72,000t of imports and the same of production. Offtake was 115,000t leaving a closing stock of 89,000t.

This is a little below the 100,000t minimum buffer owing to weak output in January as a result of late phosphoric acid shipments to Pakistan because of the ongoing situation in the Red Sea. Output locally at the Fauji plant recovered to normal levels last month.

DAP availability overall for rabi (October 2023 to March 2024) is estimated at 977,000t, comprising 38,000t of opening stocks, 392,000t of local output and 546,000t of imports. DAP demand is estimated at 849,000t.


Related news posts

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut faucibus consectetur ullamcorper. Proin eu blandit velit. Quisque libero orci, egestas lobortis magna ac, accumsan scelerisque diam. Vestibulum malesuada cursus urna a efficitur. In gravida nisi eget libero aliquet interdum. Nam sit amet felis nisl.

Inundações podem prejudicar logística no Sul do Brasil


10/05/24
10/05/24

Inundações podem prejudicar logística no Sul do Brasil

Sao Paulo, 10 May (Argus) — Enchentes sem precedentes no estado do Rio Grande do Sul devem criar uma situação logística ainda mais caótica no país e podem reduzir o uso de fertilizantes na safra de soja 2024-25 do estado. Chuvas intensas atingem o estado desde 29 de abril, culminando nas piores enchentes já registradas no Rio Grande do Sul. As enchentes alcançaram a área central do estado, fechando os portos de Pelotas e Porto Alegre, que movimentam commodities agrícolas, incluindo grãos, oleaginosas e fertilizantes. Os níveis elevados de água devem chegar até o Sul do estado, alcançando o porto de Rio Grande. Os três portos do Rio Grande do Sul movimentaram cerca de 44,8 milhões de toneladas (t) em 2023, sendo o porto de Rio Grande o maior deles, respondendo por pelo menos 42,6 milhões de t, de acordo com dados portuários. O perfil geográfico do estado e um canal particularmente estreito para o escoamento das águas até o mar sugerem que o pior ainda está por vir na parte Sul do estado. Os níveis de água devem aumentar na Lagoa dos Patos, um lago que recebe águas de diversos rios e desemboca no Oceano Atlântico. Porém, as operações estão acontecendo normalmente no porto de Rio Grande até 9 de maio. A Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) projeta que 343.250t de soja e 131.778t de farelo de soja sejam embarcados na semana encerrada em 11 de maio, de acordo com o cronograma de embarques do porto. Os embarques entre 28 de abril e 4 de maio — que representam os dias em que as chuvas atingiram seu pico e o estado começou a inundar — totalizaram 183.559t e 133.424t de soja e farelo de soja, respectivamente. Dados de lineup da agência marítima Williams mostram que as exportações de soja devem totalizar 838.600t, quase o dobro do volume projetado na semana anterior. O tempo médio estimado de espera para embarque aumentou para 3 dias, em comparação com 2 dias estimados em 29 de abril. O porto de Rio Grande foi o 5º maior exportador de soja em 2023, com 3,8 milhões de t embarcadas no ano passado, de acordo com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O tempo de espera para descarga de fertilizantes está em torno de 1 dia, estável em comparação com a semana anterior. O porto de Rio Grande foi o 3º maior em termos de volumes de importação de fertilizantes no 1º trimestre de 2024, de acordo com dados da agência marítima Unimar. O porto de Paranaguá, no Paraná, recebeu 2 milhões de t de fertilizantes, seguido de Santos e Rio Grande, com 1,9 milhão de t e 990.640t, respectivamente. Dados de lineup para maio e junho apontam que Rio Grande deve receber 540.900t e 66.375t de fertilizantes, respectivamente. Os navios com destino a Rio Grande podem ser direcionados para outros portos, especialmente para São Franciso do Sul, em Santa Catarina, e Paranaguá, de acordo com participantes de mercado. Mesmo que os volumes de fertilizantes sejam descarregados conforme planejado inicialmente, o escoamento para as áreas agrícolas pode ficar comprometido. O principal acesso ao porto, a rodovia BR-116, já está parcialmente bloqueada, dificultando o fluxo de caminhões no estado. Os motoristas já buscam trechos curtos para transportar mercadorias, uma vez que os trechos longos os obrigam a procurar alternativas que elevam ainda mais o percurso, considerando que há cerca de 88 bloqueios parciais ou totais em rodovias no estado até 9 de maio. A empresa de logística Rumo também interrompeu parcialmente as operações no Rio Grande do Sul em 6 de maio. A empresa possui um terminal de grãos no porto de Rio Grande e uma malha ferroviária de cerca de 7.220km na região Sul do Brasil, que inclui os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Empresas de fertilizantes que atuam no Rio Grande do Sul relataram que estão tentando mover seus produtos para armazéns longes dos rios. Considerando a produção agrícola, os volumes que já foram colhidos e estavam armazenados em silos, estão encharcados agora. Com a previsão de mais danos, agricultores do Rio Grande do Sul podem se sentir desencorajados a investir em tecnologias e fertilizantes para a próxima safra de soja 2024-25. Mais chuvas para o fim de semana O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) espera que as chuvas se intensifiquem novamente no Rio Grande do Sul, começando nesta sexta-feira, entre as regiões Centro-Norte e Oeste do estado. Os níveis de chuva devem diminuir até 12 de maio, mas podem ultrapassar 100mm antes disso. As áreas litorâneas das regiões Norte e Sul de Santa Catarina também devem ser afetadas, de acordo com o Inmet. Por Renata Cardarelli e Nathalia Giannetti Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Enchentes no RS: 3tentos diminui perspectiva para soja


09/05/24
09/05/24

Enchentes no RS: 3tentos diminui perspectiva para soja

Sao Paulo, 9 May (Argus) — A empresa de agronegócio 3tentos reduziu suas perspectivas da safra de soja para esta temporada devido às enchentes que assolam o Rio Grande do Sul. Parte importante das operações da 3tentos está sediada no estado, segundo maior produtor de soja do país, que enfrenta fortes chuvas desde 29 de abril. As enchentes já mataram 107 pessoas, segundo a Defesa Civil. Como resultado, a safra de soja do Rio Grande do Sul pode cair para 20 milhões t-21 milhões de t, ante 23 milhões t-24 milhões de t previstas anteriormente, de acordo com o presidente da 3tentos, Luis Osório Dumoncel. Pelo menos 80pc da soja colhida este ano está armazenada em armazéns ou portos. "Temos trabalhado incansavelmente para manter todas as operações de fornecimento de insumos, grãos, rações e biocombustíveis", disse o executivo durante teleconferência de resultados trimestrais. A companhia vê um "pequeno risco" para suas cadeias de oferta de pesticidas, sementes e fertilizantes, devido às inundações. Do lado logístico, rotas alternativas de exportação também têm sido utilizadas para escoar produtos como o farelo de soja, explicou o diretor operacional João Marcelo Dumoncel. Resultados do 1º tri As vendas da 3tentos no primeiro trimestre atingiram R$2,68 bilhões, alta de 48,5pc em relação ao mesmo período do ano anterior, impulsionadas pelos segmentos de indústria, biodiesel e farelo de soja. O segmento industrial, o maior da empresa, foi responsável por R$1,52 bilhão em vendas, subindo 69pc na base anual. As receitas de farelo de soja e outros produtos totalizaram R$927,6 milhões, 72pc acima do primeiro trimestre de 2023. As vendas de biodiesel aumentaram 64pc, para R$591 milhões, graças à elevação do mandato de mistura do biocombustível de 12pc para 14pc desde março. "Temos certeza de que a operação de biodiesel ajudará na margem da empresa neste ano", contou Dumoncel. As margens de esmagamento de soja da empresa cresceram 3,3pc no trimestre, fixando-se em R$ 442/t, fortelecidas pela produção de biodiesel. As vendas de grãos da 3tentos avançaram quase 27pc, para R$560 milhões. As receitas no segmento de matérias-primas agrícolas — como fertilizantes, pesticidas e sementes — alcançaram R$601 milhões no primeiro trimestre, salto de 35pc na variação anual. No período, a receita da companhia totalizou R$156,44 milhões, aumento de 51pc. A 3tentos também iniciou a construção de sua primeira unidade de moagem de milho para produção de etanol e grãos secos de destilaria (DDG, na sigla em inglês). A empresa concluiu esta semana a emissão de títulos de dívida no valor de R$560,73 milhões. Por Alexandre Melo Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Superbac busca reestruturação de dívidas


07/05/24
07/05/24

Superbac busca reestruturação de dívidas

Sao Paulo, 7 May (Argus) — A empresa brasileira de fertilizantes Superbac entrou com pedido no Tribunal de Justiça do estado de São Paulo (TJ-SP) para renegociar dívidas com credores e bloquear temporariamente os pagamentos por 60 dias, de acordo com solicitação arquivada em 3 de maio. O pedido, feito para a 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial de São Paulo, não é uma solicitação formal de recuperação judicial, mas sinaliza que a Superbac poderá solicitar o processo no futuro. De acordo com a petição inicial, a razão para a interrupção é uma "dificuldade financeira momentânea, porém reversível". A empresa afirma no pedido que a suspensão dos pagamentos é essencial para preservar os ativos da Superbac. Os pagamentos apenas beneficiariam um pequeno grupo de credores e colocariam a empresa em risco, informou a empresa. A dívida total da Superbac é de cerca de R$650 milhões. Em meio aos credores mencionados no arquivo, estão empresas de fertilizantes como a BPC; bancos como BTG, Santander, Daycoval e XP; fundos de investimentos; e empresas de logística como Multitrans e Coocatrans. A XP adquiriu uma participação na Superbac em julho de 2023, totalizando R$300 milhões. Localizada em Cotia, em São Paulo, a Superbac é uma empresa de biotecnologia, fundada em 1995, com operações em diferentes setores, como agricultura, fertilizantes e biofertilizantes, petróleo, gás e saneamento básico. A Superbac corresponde por 50pc dos fertilizantes organominerais e 6pc dos fertilizantes especiais no Brasil, de acordo com a petição. A empresa informou que a queda global no preço das commodities está prejudicando seu crescimento, uma vez que o setor de agricultura representa 99pc de sua receita. A Superbac tem uma fábrica de fertilizantes organominerais no Paraná, assim como centros de pesquisa nos Estados Unidos, Colômbia, Israel e Singapura. Por João Petrini Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Chuvas no Rio Grande do Sul alagam o estado


06/05/24
06/05/24

Chuvas no Rio Grande do Sul alagam o estado

Sao Paulo, 6 May (Argus) — O estado do Rio Grande do Sul continua sendo afetado pelas fortes chuvas que começaram em 29 de abril, levando o governo a decretar estado de emergência em 2 de maio. Os maiores volumes de chuva atingiram as áreas centrais do Rio Grande do Sul, com cidades recebendo chuvas entre 150mm a 500mm, de acordo com dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RS) do Rio Grande do Sul. A estação de monitoramento da cidade de Restinga Seca, no centro do estado, registrou o recorde de quase 540mm. As chuvas no Rio Grande do Sul superaram 135mm na maior parte do estado, de acordo com o Instituto de Meteorologia dos Estados Unidos (Noaa, na sigla em inglês). Enquanto isso, nas demais regiões do Brasil prevaleceu o clima seco. O NOAA espera que as chuvas diminuíam nesta semana, mas as condições climáticas adversas devem continuar. Até 3 de maio, 154 trechos de 68 rodovias estavam totalmente ou parcialmente bloqueadas, de acordo com a Defesa Civil do estado. A usina hidrelétrica 14 de julho, com capacidade de 100MW, também foi afetada e teve sua operação parcialmente rompida. O porto do Rio Grande não suspendeu as operações, porém a movimentação está mais lenta. Apesar das chuvas intensas, as taxas de demurrage e o tempo de espera para atracação e desembarque ficou estável em $1/tonelada (t) e os custos totais para a movimentação de fertilizantes permaneceram em $19/t. Porém, participantes de mercado esperam que a situação mude nos próximos dias, o que deve aumentar as taxas de demurrage. Se a chuva não parar e os níveis do Rio Guaíba continuarem subindo, é provável que algumas áreas do porto inundem nos próximos dias, como aconteceu no porto de Porto Alegre. Em meio a movimentação de carga mais lenta, dificuldades logísticas e a demanda para serviços de transporte de fertilizantes, que já estava baixa, o frete de fertilizante na rota Rio Grande-Dourados, monitorada semanalmente pela Argus, caiu em média R$20/t, para R$225-250/t. Excesso de chuva pode prejudicar safra de soja O Rio Grande do Sul está colhendo a safra de soja 2023-24, que deve ser a segunda maior do país nesta temporada. Os trabalhos alcançaram 76pc da área esperada no estado até 2 de maio, avanço de 10 pontos percentuais na semana, apesar do excesso de chuvas, segundo a Emater-RS. Os agricultores aproveitaram as janelas mais curtas de clima favorável— ou quando as chuvas diminuíram — para intensificar as atividades de campo, especialmente nas áreas em que eram esperadas produtividades maiores e que não foram profundamente afetadas pela seca no início do ano. Os níveis de umidade dos grãos colhidos são considerados acima da média e vão necessitar de mais investimentos no processo de secagem. Algumas áreas reportaram germinação prematura e queda das plantas em razão do excesso de umidade. A Emater-RS mantém a produtividade média do estado projetada em 3.329 kg/hectare (ha), com os resultados recentes permanecendo dentro das projeções anteriores, de acordo com o boletim de 2 de maio, divulgado semanalmente pelo órgão. Com isso, ainda é esperado que a produção de soja do Rio Grande do Sul alcance o recorde de 22,2 milhões de t. No entanto, participantes de mercado concordam que as projeções para o estado devem cair nas próximas semana, uma vez que os estudos de campo começam avaliar com precisão os prejuízos causados pelo excesso de chuvas. Por João Petrini, Maria Albuquerque e Nathalia Giannetti Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Business intelligence reports

Get concise, trustworthy and unbiased analysis of the latest trends and developments in oil and energy markets. These reports are specially created for decision makers who don’t have time to track markets day-by-day, minute-by-minute.

Learn more