Produtores de etanol reagem a novas medidas da UE

  • : Biofuels
  • 22/09/23

Participantes do mercado brasileiro de combustíveis demonstraram surpresa com as novas medidas de monitoramento da União Europeia (UE) sobre as importações de etanol no bloco, mas não esperam que a situação evolua para uma barreira comercial.

Na semana passada, a Comissão Europeia anunciou a implementação de medidas de vigilância retroativas sobre as importações de etanol de vários países, incluindo o Brasil e os Estados Unidos.

As medidas não restringirão as importações, mas proporcionarão um monitoramento rápido e mitigarão potenciais danos futuros aos produtores da UE, segundo o documento. Será exigido dos países-membros que partilhem dados de importação com a comissão.

Produtores brasileiros consultados pela Argus não estavam dispostos a falar abertamente sobre o anúncio da Comissão Europeia, considerando "muito cedo" para definir uma posição formal sobre as ramificações para produtores e clientes de etanol em ambos os lados do Atlântico.

Todos concordam que as exportações brasileiras não enfrentarão grandes obstáculos.

"A Europa é um importador massivo de etanol. Essas cargas são essenciais para compensar a escassez de oferta local", disse um membro da indústria à Argus.

As fontes argumentam que a história recente das várias medidas anunciadas pela UE para monitorar o setor- incluindo uma semelhante em 2020, solicitada pela França em nome da indústria do etanol - não resultou em repercussões significativas. "Me parece apenas um instrumento de pressão para atender o lobby dos países produtores de etanol, mas precisamos ficar de olho nisso de todo modo."

Consultados pela Argus, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) e a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) disseram que acompanham com atenção os movimentos do bloco e buscarão os melhores caminhos para "para superar eventuais dificuldades às exportações brasileiras, caso isso ocorra."

O ministério também destacou que os fluxos brasileiros para a UE cresceram nos últimos anos, mas se estabilizaram um pouco entre janeiro-agosto de 2023, com quedas tanto em valores, de $243 bilhões para $213 bilhões, no último período, quanto em volume, de 316.000m³ para 304.000m³, em relação ao mesmo período de 2022.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil também está monitorando a situação, disseram fontes com conhecimento do assunto.

Perspectiva de mercado incerta

Os volumes que saem do Brasil em direção à Europa registaram baixa ao longo de 2022, em um contexto complexo de arbitragem transatlântica mais atrativa, de mudanças nos fundamentos do mercado e do papel importante do etanol na redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) provenientes dos transportes na UE.

O conturbado cenário geopolítico no continente resultou em uma disparada nos preços da gasolina e um aumento na competitividade do etanol no mercado europeu, com crescimento da venda de mesclas como o E10 e E85.

O maior interesse pelo etanol no mercado europeu também reflete a adoção de mesclas mais elevadas de etanol na gasolina em alguns países.

Grande parte dessa necessidade tem sido atendida por um fluxo mais robusto de exportações do Brasil, em um momento em que a demanda por etanol permanece retraída no mercado interno.

Ainda não se sabe se esta tendência se solidificará em um fluxo de exportação resiliente, mas há uma oportunidade estratégica para o setor brasileiro de etanol se posicionar como um fornecedor importante no mercado da UE.

"Depois de alguns anos de ausência, o Brasil busca, mais uma vez, um papel maior no cenário mundial, o que cria esperança para essa longevidade, mesmo com o protecionismo europeu", explicou a fonte da indústria.

Produtores europeus em alerta

Na UE, produtores receberam de forma positiva a medida de vigilância, com a Associação Europeia de Etanol Renovável (ePure, na sigla em inglês) descrevendo a decisão como "notícias tranquilizadoras" para o setor.

"A indústria de etanol renovável da UE está pronta para agir para evitar mais prejuízos, visando preservar o setor e os empregos", disse o diretor-geral da ePure, David Carpinteiro, acrescentando que a medida mira quaisquer desenvolvimentos comerciais que possam surgir da concorrência desleal.

A medida vem na esteira de um aumento nas importações de etanol para a UE, desde o início da década. As importações de etanol para todos os fins aumentaram quase 80pc, entre 2021 e 2022, enquanto as importações de etanol combustível subiram 45pc, em 2022, em comparação ao ano anterior, com base em dados alfandegários do bloco.

Os EUA, o Brasil e o Peru foram os principais fornecedores do biocombustível ao grupo no período. A Comissão Europeia observou que o mercado da UE atrai outros países exportadores devido aos seus preços elevados, 15pc superiores aos preços de importação do Brasil e dos EUA.

Produtores europeus contatados pela Argus não se mostraram dispostos a falar publicamente sobre as medidas, mas o sentimento foi, em geral, positivo entre os participantes.

A indústria europeia do etanol foi abalada pelo crescimento dos custos de energia, o que levou a um longo período de margens de produção negativas, uma vez que o gás natural é um custo de produção fundamental para os produtores regionais. O suprimento de grãos também se tornou cada vez mais desafiador.

Incapazes de competir com custos de produção consideravelmente mais baixos, muitos produtores europeus frearam a produção no ano passado, alguns em até 50pc. Segundo a Comissão Europeia, a indústria local viu a sua participação de mercado diminuir em 10pc durante o período.

A UE também está considerando estender o estatuto de isenção de tarifas de importação do Paquistão até 2027. O Paquistão emergiu recentemente como o principal fornecedor de etanol não-desnaturado ao bloco e, atualmente, se beneficia da isenção de impostos para as suas exportações de etanol.

Por Vinicius Damazio e Evelina Lungu


Related news posts

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut faucibus consectetur ullamcorper. Proin eu blandit velit. Quisque libero orci, egestas lobortis magna ac, accumsan scelerisque diam. Vestibulum malesuada cursus urna a efficitur. In gravida nisi eget libero aliquet interdum. Nam sit amet felis nisl.

20/02/24

Etanol sustenta recuperação no varejo em 2024

Etanol sustenta recuperação no varejo em 2024

Sao Paulo, 20 February (Argus) — As vendas de etanol hidratado nas bombas avançaram 67pc em janeiro em relação ao mesmo mês de 2023, com a paridade nas bombas ainda favorável ao consumo do biocombustível em quase todo o país. O consumo de etanol hidratado atingiu 1,77 milhão de m³ no mês passado, em comparação a 1,06 milhão de m³ no mesmo período em 2023, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Consolidando uma tendência registrada nos últimos meses, a demanda pelo etanol hidratado cresceu em todas as regiões do país, graças aos preços elevados da gasolina doméstica – que sofrem influência das referências internacionais do petróleo –, garantindo valores mais atraentes para o biocombustível aos motoristas. O Sul e o Norte viram as saídas de álcool na bomba mais do que dobrarem, seguidos por saltos de 85pc no Nordeste e de 65pc no Centro-Oeste. No Sudeste, maior polo consumidor graças ao estado de São Paulo, o varejo do etanol totalizou 1,16 milhão de m³, avanço de quase 60pc ano-a-ano, segundo cálculos oficiais. O etanol precisa ter um preço de 70pc ou menos do que a gasolina para ser competitivo e atrair a atenção dos motoristas na hora de abastecer. A paridade de preços em todo o país em relação ao combustível fóssil ficou, em média, em 61pc em dezembro, a mais baixa desde setembro de 2018. Por Vinicius Damazio Saídas regionais de etanol m³ Jan-24 mês atrás ± (%) Jan-23 ± (%) Vendas mensais Centro-Oeste 285.531 310.528 8% 172.924 65% Norte 30.078 31.816 -5,5% 14.734 104% Nordeste 155.612 143.323 8,6% 84.240 85% Sul 144.023 146.041 -1,4% 63.798 126% Sudeste 1.160.014 1.248.250 -7,1% 726.936 60% Total 1.776.050 1.881.553 -5,6% 1.062.956 67% ANP Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Estoque de etanol no Centro-Sul encolhe em jan


19/02/24
19/02/24

Estoque de etanol no Centro-Sul encolhe em jan

Sao Paulo, 19 February (Argus) — Os estoques de etanol no Centro-Sul recuaram 14pc na segunda metade de janeiro com as atividades de moagem chegando ao fim nos principais estados produtores. Os estoques do biocombustível na principal região produtora do Brasil caíram para 7,4 milhões de m³ até o dia 31 de janeiro, ante 8,6 milhões de m³ registrados na quinzena anterior, segundo dados do Ministério da Agricultura. Na comparação com o mesmo período do ano passado, quando os estoques foram de 5,6 milhões de m³, o avanço foi de 32pc. Durante a segunda metade de dezembro, 21 unidades estavam operando no Centro-Sul – seis delas processando cana-de-açúcar, sete usando milho e oito flex. De acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica), 249 unidades interromperam a moagem até 31 de janeiro. Os estoques de etanol hidratado representaram 4,3 milhões de m³ do total acumulado no período, redução de 15pc na quinzena e alta de 33pc na variação anual. Já o etanol anidro totalizou 3 milhões de m³, queda de 13pc na comparação com a quinzena anterior e crescimento de 29pc no ano. Por Laura Guedes Produção sucroalcooleira do Centro-Sul 31-Jan última quinzena ± ano atrás ± Produção acumulada desde 1 de abril Etanol total '000m³ 32.254 31.869 1.2% 27.936 15% Cana-de-açúcar '000t 645.070 644.369 0.1% 541.346 19% Açúcar '000t 42.038 42.008 0.1% 33.426 26% Mapa Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Receita autoriza Inpasa a importar biodiesel


16/02/24
16/02/24

Receita autoriza Inpasa a importar biodiesel

Sao Paulo, 16 February (Argus) — A Receita Federal concedeu à produtora de etanol de milho Inpasa uma autorização para importação de biodiesel, operação altamente restrita no país. A empresa recebeu a licença para suas usinas de Nova Mutum e Sinop. Ambas produzem etanol de milho anidro e hidratado e ficam no Mato Grosso. A legislação exige que os produtores ou importadores de biodiesel se registrem na Receita Federal para participar do mercado doméstico do biocombustível. O país não permite importações de biodiesel, exceto para misturas discricionárias acima do mandato obrigatório ou para uso experimental. Em novembro, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) autorizou as chegadas de biodiesel no Brasil, mas o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) revogou temporariamente a medida – que entraria em vigor em 2 de janeiro. A revogação aconteceu na esteira do aumento antecipado do mandato de mistura do biodiesel para março deste ano, saltando dos atuais 12pc para 14pc. "Deliberamos que é fundamental criar um grupo de trabalho para estudar os impactos da importação. Enquanto este grupo não concluir a missão, o Brasil continuará defendendo o conteúdo local", disse o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, em dezembro. Consultada pela Argus, a Inpasa não respondeu até o fechamento desta edição. Por Laura Guedes Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Embraer entra em fundo da United para SAF


15/02/24
15/02/24

Embraer entra em fundo da United para SAF

Sao Paulo, 15 February (Argus) — A Embraer aderiu ao fundo de investimento internacional da United Airlines Ventures para produzir combustível de aviação sustentável através de investimentos em startups. A gigante brasileira informou que agora está entre as 22 empresas de todas as partes da cadeia de abastecimento do setor aéreo que comprometeram mais de $200 milhões para o Fundo de Voos Sustentáveis da United Airlines Ventures (UAV), ao mesmo tempo em que colaboram para fornecer experiência às companhias do portfólio do fundo. Os parceiros do fundo – lançado no início de 2023 – incluem a companhia aérea Air New Zealand, a fabricante aeroespacial Boeing, a gigante tecnológica Google, a empresa de engenharia Honeywell e o banco JP Morgan Chase. O SAF é uma opção para descarbonizar a indústria da aviação, assim como diminuir o número de voos, desenvolver aeronaves elétricas, investir na infraestrutura para ferrovias internacionais de alta velocidade e limitar o uso de combustíveis fósseis. Mas há um consenso de que a capacidade de produção do biocombustível precisa aumentar drasticamente para desempenhar um papel na descarbonização da aviação. Novos mandatos para o uso do combustível, subsídios governamentais, construção de usinas e pesquisas são alguns dos esforços da indústria para ajudar o mercado a crescer. Recentemente, a Embraer conduziu testes usando 100pc de SAF em seus jatos executivos Phenom 300E e Praetor 600, como parte de sua meta de zerar as emissões líquidas até 2040. Os testes foram realizados em suas instalações Melbourne, na Flórida, usando produto fornecido pela World Fuel. Hoje, as aeronaves da Embraer estão autorizadas a operar com misturas de 50pc de SAF. Em 2022, a empresa fechou parceria com a gigante sucroalcooleira Raízen para desenvolver a produção e infraestrutura do combustível de aviação sustentável, mas detalhes de qualquer trabalho no âmbito da parceria ainda não foram divulgados. Por Vinicius Damazio Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.

Usinas intensificam produção de etanol hidratado


15/02/24
15/02/24

Usinas intensificam produção de etanol hidratado

Sao Paulo, 15 February (Argus) — O processamento de etanol no Centro-Sul cresceu quase 47pc na segunda quinzena de janeiro em relação ao mesmo período do ano passado, com o hidratado dominando o mix produtivo em meio a uma safra de cana-de-açúcar recorde e vendas em alta na ponta varejista. As usinas do Centro-Sul entregaram 313.000m³ nas últimas duas semanas daquele mês, contra 213.000m³ no ciclo anterior, segundo o balanço quinzenal da União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica). Mais uma vez, o etanol hidratado abocanhou a maior fatia desse crescimento, contabilizando 219.000m³, mais do que o dobro do montante produzido no ano passado. Já a produção de etanol anidro caiu 15pc na base anual, chegando em 94.000m³. O mix de produção no período foi bem mais favorável ao etanol do que ao açúcar, com o biocombustível atingindo quase 65pc do total. A moagem de cana-de-açúcar na região aumentou para 714 milhões de t nas duas semanas, mais que o dobro do mesmo período do ano anterior. As usinas têm destinado mais cana-de-açúcar para produzir etanol hidratado desde agosto, ao passo que a paridade nas bombas começou a melhorar nos principais estados consumidores. Vendas de etanol As usinas do Centro-Sul venderam 3 milhões de m³ por todo janeiro, salto de quase 39pc na variação anual. As exportações somaram 198.529m³ do total, ganho de 3pc na comparação com o mesmo mês de 2022. No mercado interno, a comercialização de etanol hidratado atingiu 1,7 milhão de m³, expansão de 76pc, enquanto as vendas de anidro avançaram 6,4pc, para 1 milhão de m³. No acumulado da safra, as vendas de etanol pelos produtores do Centro-Sul aumentaram 9,3pc no ano, para 26,9 milhões de m³, de acordo com a Unica. Por Maeli Prado Envie comentários e solicite mais informações em feedback@argusmedia.com Copyright © 2024. Argus Media group . Todos os direitos reservados.